sábado, 7 de outubro de 2017

Angola, anos 60/70 – Os Fuzileiros no rio Zaire, Parte II


Angola - Os Fuzileiros no rio Zaire

(Post reformulado a partir de outro já publicado em 9 de Outubro de 2010)




Angola, rio Zaire - Duas imagens da LFP "Pollux" em fiscalização e patrulha




O pequeno trecho filmado do final desta publicação foi rodado em Angola. A LFP «Pollux» navega no rio Zaire, provavelmente no final dos anos '60 e documenta a importância que o dispositivo naval da Marinha - Unidades Navais e Fuzileiros – tinha na fiscalização e vigilância daquele curso de água.

Transportes de pessoal, abastecimentos e outras cargas faziam parte das rotinas das guarnições de Unidades Navais e Destacamentos ou Companhias de Fuzileiros, garantindo a segurança de pessoas e bens transportados.

Com base em SAZAIRE – Comando de Defesa Marítima de Santo António do Zaire, onde existia uma Esquadrilha de Lanchas com unidades navais atribuídas, eram lançadas operações quer de simples fiscalização e patrulha quer actuando em conjunto com forças de Fuzileiros.

A partir de postos onde estavam sedeados ao longo do curso do Zaire, por exemplo a lendária “Pedra do Feitiço”, embarcados em LDM ou utilizando meios próprios, os botes, complementavam e apoiavam também a acção das unidades navais.

As “muilas” e os “bordoeiros” ainda hoje povoam as memórias históricas de militares que ali desempenharam missões ou populações que ali estiveram estabelecidas.

A unidade naval que participou no documento filmado, a LFP «Pollux» – P 368, foi uma Lancha de Fiscalização Pequena, cujo comando foi sempre efectuado por oficiais da Reserva Naval.






Fontes:
Texto e foto de arquivo do autor do blogue; cópia de filme gentilmente cedida pela Escola de Fuzileiros, a partir de película rodada, ao tempo, com a colaboração da Marinha;


mls

2 comentários:

  1. também subi o rio zaire bastantes vezes mas a bordo de uma lancha um pouco maior (NRP Pegaso)
    era de resto o único sitio das nossas patrulhas que o fazíamos em postos de combate . todas as patrulhas ao norte começavam por ir levar alguns abastecimentos a Noqui onde as diferenças de mares eram grandes(cerca de 4 metros) mas felizmente nunca tivemos problemas...um abração. luis mc falido ex cabo c 54/67.

    ResponderEliminar
  2. subi e desci o Zaire muitas vezes ao longo de 2 anos, 72 a 74, na LDM 403. Agostinho Raposo "guerreiro" MA 1589/70.

    ResponderEliminar

Guiné, 1990 - Os degredados do forte do Cacheu

Guiné, 1990 - Os degredados do forte do Cacheu (Post reformulado a partir de outro já publicado em 2 de Abril de 2011) No interior do forte ...